Tecnologias sociais são reconhecidas pela Política Nacional de Tecnologia Social

Notícia postada em 21/08/2017 19:08

Pela proposta, as tecnologias sociais também devem ser voltadas para a solução de problemas básicos: suprimento de água potável, alimentação, educação, energia, habitação, renda, saúde e meio ambiente.

As tecnologias sociais, agora, ganham mais força por estarem previstas em Lei. A observação é da coordenadora de Tecnologia Social do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), doutora Denise Gutierrez, ao comentar sobre a aprovação pela Câmara dos Deputados da criação da Política Nacional de Tecnologia Social. No Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) há 25 tecnologias sociais registradas.    

Projeto de Lei 3329/15 do Senado Federal define as tecnologias sociais como a união entre saber popular e conhecimentos científicos e tecnológicos, que devem atender a requisitos de simplicidade, baixo custo, fácil aplicabilidade e reprodução e impacto social comprovado. As tecnologias sociais também devem ser voltadas para a solução de problemas básicos: suprimento de água potável, alimentação, educação, energia, habitação, renda, saúde e meio ambiente.

Dentre as tecnologias sociais desenvolvidas pelo Inpa estão o aparelho de desinfecção solar de água (Água Box), a criação de peixes em canais de igarapé, a geração ecológica de energia (briquetes ou lenha ecológica), a produtos verdes para construção civil, o manejo comunitário de recursos naturais e os sistemas de produções sustentáveis, além do melhoramento genético e conservação in situ (no lugar) de plantas e a solução cravo-da-índia para o controle do mosquito da dengue, entre outras.

Em 2012, o Inpa criou a Coordenação de Tecnologia Social para fazer a mediação no diálogo entre a ciência e os grupos sociais. A titular dessa coordenação, desde então, é doutora Denise Gutierrez, para quem, com essa Política, as tecnologias sociais ganham mais força por estarem previstas em Lei, além de ser um reconhecimento da sociedade do real valor de tecnologias que melhoram a qualidade de vida da população. “A lei também reconhece que não é só ciência que produz conhecimento útil”, destaca Gutierrez.

Impacto e alcance

No Inpa, uma das tecnologias de maior impacto e alcance é o Água Box, desenvolvido pelo pesquisador Roland Vetter e patenteado como um modelo de utilidade. O aparelho é capaz de desinfectar águas contaminadas por germes de rios, lagos e igarapés, através da radiação ultravioleta tipo C. Tem contribuído de forma significativa para reduzir os casos de diarréia e até de morte, principalmente de crianças, causadas por doenças de veiculação hídrica.

Batizado comercialmente de Ecolágua, o purificador já foi instalado em cerca de 30 aldeias indígenas – como Deni, Kanamari e Yanomami – e comunidades ribeirinhas da Amazônia, além de Nampula (África).  

Tramitação

Agora, o projeto segue para sanção presidencial, caso não haja recurso para análise pelo Plenário da Câmara.

Fonte: Ascom Inpa/Foto: Cimone Barros e Acervo Rolland Vetter 

Comente esta notícia