Teatro e folclore regional são atração desta sexta na Estação das Docas

Notícia postada em 21/08/2015 07:11

A orla da Estação das Docas será palco para o espetáculo “A Carroça é Nossa”, do Grupo Xama Teatro, nesta sexta-feira (21), a partir das 20h. A apresentação é indicada para todas as idades. Também na sexta, o público pode conferir uma apresentação que valoriza o folclore regional, com o grupo Uirapuru. Ambas as programações têm entrada franca.

Tudo começa com um sonho de Pedoca, que se vê cantando, tocando sanfona e sendo feliz em uma carroça puxada por um burro. Ao acordar, ele encontra a carroça, mas não um animal que possa puxá-la. Na busca pelo burro, encontra Toinha, que sonha encontrar um amor verdadeiro; Joaninha, que quer proteção, e Cecé, cujo sonho é encontrar uma família. Na busca, eles percebem que seus destinos não se cruzaram à toa e que precisam desvendar um enigma que envolve a carroça.

Fazem parte do elenco os atores Gisele Vasconcelos, Renata Figueiredo, Lauande Aires e Cris Campos. O Grupo Xama Teatro, criado em 2008, no Maranhão, é uma associação civil que busca contribuir para o desenvolvimento das artes cênicas naquele Estado, além de promover e incentivar o desenvolvimento da pesquisa e criação artística e produzir espetáculos teatrais e eventos de caráter cultural.

Folclore – Nesta sexta-feira (21), a partir das 18h30, a Estação das Docas recebe o Grupo Uirapuru dentro do projeto Pôr-do-Som especial pelo Dia do Folclore, na orla do Armazém 3. O espetáculo regional fará, com músicas e danças, uma viagem retratando o folclore das diversas regiões do Estado. “Vamos iniciar e encerrar com o carimbó coreografado, passando pelo maçariquinho, siriá, banguê e muito mais”, antecipa a coordenadora e coreógrafa, Cláudia Peniche.

A apresentação fará parte do show que o grupo vai apresentar em setembro, no II Festival Internacional de Folclore do Maranhão. “Estaremos representando o nosso Estado do Pará. O festival, assim como o projeto, são espaços para divulgarmos o nosso folclore. O grupo sempre busca manter as versões mais tradicionais, pois trabalhamos para manter viva nossa tradição”, explica Cláudia Peniche. Mais informações pelo telefone (91) 3212-5525.

Fonte: Agência Pará

Comente esta notícia