Segurança das Olimpíadas foca na repressão a tráfico de armas em fronteiras e divisas

Notícia postada em 20/10/2015 19:17

O esquema de segurança deverá contar com a estrutura integrada, reproduzindo o modelo utilizado na Copa do Mundo.

A repressão ao o tráfico de armas vai ser intensificada com uma ação mais rigorosa nas fronteiras e nas divisas dos estados durante os Jogos Olímpicos no Rio em 2016. O assunto foi discutido entre representantes dos governos federal e do Rio de Janeiro.

O objetivo é inviabilizar a remessa de armamentos para dentro do território nacional. O Ministério da Justiça e o governo do Estado vão atuar de forma integrada em áreas sensíveis para avaliar cada estágio.

A parceria entre os governos já está em andamento com ações ostensivas e de inteligência e o esquema de segurança deverá contar com a estrutura integrada, reproduzindo o modelo utilizado na Copa do Mundo. 

Participaram da reunião os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo e o governador Luiz Fernando Pezão, entre outras autoridades.

O ministro da Justiça ressaltou que a segurança pública do Rio é fundamental para uma boa segurança na Olimpíada. "O Rio tem apoio total e vamos acionar as Forças Armadas na hora certa. Vamos atuar em conjunto pela paz e pela defesa da população. Juntos somos mais fortes que o crime organizado", disse. 

Segundo o governador Luiz Fernando Pezão será mobilizado um grande efetivo, que vai começar a chegar antes dos Jogos. "Sabemos que temos um problema que é a entrada de armas. A ajuda da DEA (Drug Enforcement Administration, agência antidrogas do governo norte-americano) é muito importante e, por isso, buscamos toda cooperação visando também as Olimpíadas".

Fonte: Portal Brasil com informações do Ministério da Justiç

Comente esta notícia