Obras de mobilidade para Olimpíada recebem 7,1 bilhões de reais do governo federal

Notícia postada em 07/03/2016 23:03

O governo federal está empenhado como principal agente financeiro das obras de mobilidade do Rio Janeiro para os Jogos Olímpicos 2016. No total, a União se comprometeu a repassar R$ 7,1 bilhões do total de R$ 10,3 bilhões previstos pelo governo do estado e a prefeitura para a implantação da Linha 4 do metrô e a construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). As obras serão um marco na qualidade do transporte público carioca, como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

 O VLT já é considera uma versão moderna dos bondes, só que com muito mais tecnologia e alcance. A linha está orçada em US$ 1,157 bilhão, sendo R$ 532 milhões repassados pelo governo por meio do PAC Mobilidade Grandes Cidades. Os R$ 625 milhões restante serão aplicados por meio de Parceria Público Privada (PPP). A linha terá 28 quilômetros (km) de extensão.

A ideia é que o VLT seja o modal mais versátil do sistema de transporte da capital fluminense. Ele vai ligar a região portuária da cidade ao centro, passando pela Rodoviária Novo Rio e o Aeroporto Santos Dumont, além de interligar o sistema de barca, usado por quem mora em Niterói e Paquetá, e os trens metropolitanos. Serão ao todo 32 paradas, sendo em média uma a cada 400 metros.

A obra é dividida em duas etapas, sendo a primeira classificada como Compromisso Olímpico. Essa etapa está 85% cumprida, deve ser entregue no mês de abril e vai ligar a Rodoviária ao Santos Dumont. A segunda fase, com 43% de obras concluídas, será a extensão até a Estação das Barcas e à Praça 15.

No total, 62% das obras previstas para a construção do VLT estão prontas, mantendo a previsão de entrega do transporte até o final de 2016. A linha deve beneficiar 300 mil usuários todos os dias, com intervalo ente 3 e 15 minutos para passagem de cada composição com capacidade para transportar 420 passageiros.

2 mil carros

Já a Linha 4 do metrô (Ipanema-Barra da Tijuca) terá 16 km de extensão e seis estações (Nossa Senhor da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico).

A interligação entre Zona Sul e Zona Oeste está orçada em R$ 9,1 bilhões, sendo R$ 6,6 bilhões com juros subsidiados pelo governo federal. O governo estadual se comprometeu com R$ 2,5 bilhões como contrapartida.

A obra é mais complexa que a do VLT – especialmente a escavação do túnel interligando Copacabana à Barra, que ainda tem 200 metros de desafio de rocha para ser vencido. Apesar das dificuldades, cerca de 85%  das obras estão concluídas. A inauguração do trecho olímpico está prevista para 1º de julho.

Depois que ficar pronta, a Linha 4 será a segunda maior do Rio – ampliando em 38%  sistema metroviário da cidade. Ela vai beneficiar 300 mil pessoas por dia. A estimativa de tirar das ruas 2 mil caros por hora no horário de pico, de acordo com a Secretaria de Transportes do Rio.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério das Cidades e da Secretaria Estadual de Transportes,

Comente esta notícia