O espetáculo 'milongas' revela o tango em novas possibilidades

Notícia postada em 15/09/2015 23:41

Um espetáculo de dança que vai mostrar um estilo musical tradicional originário da América Latina e Espanha, uma miscigenação de culturas que fez nascer o tango e trouxe inspiração às coreografias.

Trata-se do “Milongas”, que será apresentado na sexta-feira (18), às 19h, no Teatro da Instalação, e na quarta-feira (23), às 20h, no Teatro Amazonas. Uma realização da Secretaria de Estado de Cultura, com entrada gratuita nas duas apresentações.

Apresentado pelo Corpo de Dança do Amazonas, “Milongas” mostra a evolução do tango e sua renovação com outros moldes harmônicos e ritmos modernos, mesclando dança de salão e contemporânea.

Apresentado pela primeira vez em 2010, o espetáculo foi remontado com novo formato e vem ressaltar a contemporaneidade dos estilos, unindo o tango tradicional com o eletrônico e a dança de salão com a dança contemporânea, sem perder a essência das Milongas.

A ‘milonga’ surgiu como um estilo musical e como dança em Andaluzia (Espanha), no fim do século 19, tornando-se popular no subúrbio de Montevidéu e Buenos Aires. Mais tarde, a milonga foi absorvida pelo tango.

O espetáculo tem a direção artística de Getúlio Lima, concepção coreográfica de Monique Andrade e assistência coreográfica de Adriana Goes e André Duarte. Ao todo, 17 bailarinos do Corpo de Dança do Amazonas interpretam a obra comoco-autores dos movimentos apresentados e dando vida aos personagens.

A apresentação tem 45minutos de duração e foi construída em 10 cenas que têm como roteiro as músicas, dentre elas: “Tango Uno”, com música VeranoPorteño (Tango Argentino – Cláudio Segovia e Hector Orezzoli),”Pulsasion”,com música Santa Maria ‘Del BuensAyre’, “Asi se Baila”, com a música Asi se baila el Tango (Verônica Verdier), “Duo de Amor”, com música Duo de Amor (AstorPiazzolla) e “Milonga Eletronica”com Pa´BailarRemix (Bajofondo).

A cenografia do espetáculo foi pensada no sentido de construir um salão de baile onde se dança milongas, com mesas e cadeiras, além de contar com figurinos elegantemente adaptados, de modo a facilitar os movimentos e modelar os corpos dos bailarinos, com referência aos grandes bailes.

“Fazer este espetáculo foi um grande desafio, pois houve muita pesquisa e o tango eletrônico me inspirou a fazer essa mistura do tradicional com coreografias e técnicas da dança contemporânea, de modo a criar uma proposta inovadora”, declarou a coreógrafa do espetáculo, Monique Andrade.

Fonte e foto: SEC/AM

Comente esta notícia