No Parlamento Amazônico, CPRM fala sobre potencial mineral da região

Notícia postada em 27/09/2017 18:26

A 14ª Reunião Ampliada do Parlamento Amazônico, ocorrida na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) reuniu parlamentares de todos os estados participantes da Amazônia Legal, lideranças indígenas e técnicos de órgãos públicos como a Fundação Nacional do Índio (Funai), Serviço Geológico Nacional (CPRM) e Forças Armadas para debater a política nacional de Gestão Ambiental e Territorial em Terras Indígenas, entre outros assuntos.

Depois de palestra do presidente da Funai, Franklimberg Ribeiro, pela manhã, a reunião recomeçou à tarde com uma palestra do geólogo Raimundo Gato, representante do CPRM, que falou sobre a política mineral brasileira e afirmou que é necessário explicar às comunidades indígenas a importância da atividade no país. “Ninguém pode negar a existência dessas jazidas minerais. Precisamos estudar as potencialidades de cada localidade e sua gente”, afirmou.

De acordo com o presidente do Parlamento Amazônico, deputado estadual Coronel Chagas (PRTB-RR), outras potencialidades amazônicas além da mineração devem ser exploradas, como a pesca esportiva, o etnoturismo, que é o turismo sustentável em aldeias indígenas. “Além disso, temos a venda de produtos artesanais, feitos pela própria comunidade. Apenas duas comunidades no Brasil estão autorizadas pela Funai a realizar essa atividade, o que é muito pouco para um país como o nosso”, advertiu.

A autogestão de comunidades indígenas no que diz respeito ao turismo sustentável, sem depender de organizações não governamentais, na opinião do presidente do Parlamento Amazônico, deve ser um objetivo que os indígenas devem perseguir. “Vieram conosco 18 lideranças indígenas de Roraima, que representam diversas comunidades para conhecer e ter conhecimento dessas informações que estão sendo compartilhadas aqui nesta reunião. Precisamos incentivar para que eles tenham independência econômica, fazendo a gestão de suas potencialidades para que as comunidades indígenas sejam independentes”, explicou.

O Parlamento Amazônico é formado pelos deputados estaduais dos nove estados que compõem a Amazônia Legal brasileira: Amazonas, Acre, Amapá, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Pará, Maranhão e Tocantins e congrega os seus 252 deputados estaduais.

Fonte: Aleam

Comente esta notícia