Não há matemática capaz de superar a boa política: a virada de Mario Soares em Portugal

Notícia postada em 09/10/2018 07:00

Em 1986, Portugal vivia sua primeira eleição em dois turnos.  Como nas eleições brasileiras de 2018, a disputa chegou ao segundo turno tendo o candidato da direita com ampla maioria de votos – 46% a 25%.  Mas o jogo virou e Mário Soares, do Partido Socialista, venceu a disputa no segundo turno por 51,18% a 48,82%. Um bom agouro para a democracia brasileira neste combalido 2018;

Mário Soares, ao apresentar a sua candidatura, não contava com mais de 5% das intenções de voto. Ao conseguir levar o pleito para o segundo turno, Soares garantiu que o público o conhecesse, e criou slogans famosos até hoje entre os portugueses, como o  “Soares é Fixe” – algo como “Soares é massa”, em português lusitano.

Nas eleições  de 1986, o resultado do primeiro turno trazia o candidato Diogo Freitas do Amaral, da democracia cristã,  com 46,31% dos votos, Mário Soares 25,43%,Francisco Salgado Zenha 20,88% e Maria de Lurdes Pintasilgo 7,38%, e a abstenção foi de 24,62%.

No segundo turno, Mário Soares venceu com 51,18% dos votos, contra 48,82% de Freitas do Amaral,  com a abstenção nos 22,01%.

Não há matemática capaz de superar a boa política. Como comprovará a vitória de Haddad.

Fonte: Lula.com.br

Comente esta notícia