Mercado de exibição no Brasil fecha janeiro com resultado recorde

Notícia postada em 14/02/2015 17:57

Foram vendidos 17,9 milhões de ingressos, o melhor resultado desde a década de 80

O mercado de exibição brasileiro fechou janeiro de 2015 com um recorde histórico no número de ingressos vendidos para as salas de cinema.  De acordo com os dados compilados pelo Observatório do Cinema e do Audiovisual (OCA) da ANCINE, nas primeiras cinco semanas cinematográficas de 2015 foram vendidos 17,9 milhões de ingressos, o melhor resultado na série histórica desde a década de 80.

Os números representam um crescimento de mais de 15% em relação aos 15,5 milhões de bilhetes comercializados em janeiro de 2014. Em relação à renda, o crescimento foi ainda mais expressivo, neste caso puxado também por um pequeno aumento no chamado preço médio do ingresso. A arrecadação teve um aumento de cerca de 22%, subindo de R$ 189,1 milhões em 2014 para R$ 232,2 milhões, tomando por base o mesmo período que compreende as cinco primeiras semanas cinematográficas do ano.

A partir de 2015, a programação dos cinemas passou a trabalhar em um ambiente regulatório diferente. Janeiro foi o primeiro mês em que esteve em vigor o compromisso assumido pelos exibidores e as regras da ANCINE que limitaram o número de salas de cada complexo que podem ser ocupadas com a exibição de um mesmo filme.

Entenda o acordo que limitou a ocupação de salas pelos megalançamentos

Em dezembro do ano passado, após a conclusão de uma câmara técnica instalada pela ANCINE para avaliar o processo de digitalização e o impacto na distribuição de longas-metragens no mercado cinematográfico, as empresas exibidoras e distribuidoras assinaram um termo de compromisso que definiu limites para a exibição de um mesmo filme em múltiplas salas dos complexos de exibição do país.

O acordo estabelece limites a serem observados para a exibição de um mesmo título em complexos com mais de três salas. Nos complexos com 3 a 6 salas, um mesmo filme poderá ser exibido em até duas salas; nos complexos de 7 e 8 salas, o limite é de 2,5 salas; para os complexos que possuam entre 9 e 11 salas, um mesmo filme pode ocupar até 3 delas; em complexos de 12 a 14 salas, até 4 poderão ser ocupadas por um mesmo título; e os complexos entre 15 e 18 salas podem exibir um mesmo longa-metragem em até 5 de suas salas.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Fonte:  Ministério da Cultura

Comente esta notícia