Manifestações contra o golpe mobilizam comunidade internacional

Notícia postada em 30/03/2016 19:33

Há atos programados em Berlim, Bogotá, Buenos Aires, Cidade do México, Copenhague, Lisboa, Londres, Monique, Montevidéu, Paris, Santiago, São Francisco e Viena.

Dia 31 de março será uma data marcada por atos a favor da democracia e contra o golpe não somente no Brasil, mas também em pelo menos 13 cidades de diferentes países do mundo. Já estão confirmadas manifestações de repúdio ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff em Berlim (Alemanha), Bogotá (Colômbia), Buenos Aires (Argentina), Cidade do México (México), Copenhague (Dinamarca), Lisboa (Portugal), Londres (Inglaterra), Monique (Alemanha), Montevidéu (Uruguai), Paris (França), Santiago (Chile), São Francisco (Estados Unidos) e Viena (Áustria). 

As convocações foram feitas em diferentes horários, de 14h às 19h nos horários locais. Para acessar a agenda completa de manifestações pela democracia no Brasil e no mundo clique aqui.

“O pedido de impeachment da presidenta não tem fundamentação legal e, portanto, é uma tentativa disfarçada de golpe de estado por parte de grupos que não respeitam o voto de 54,5 milhões de brasileiros que a elegeram em 2014”, argumentam os criadores do evento “Brasileiros na Dinamarca pela Democracia – Golpe Nunca Mais”. 

“Esses ataques lembram o clima de terror que antecedeu o golpe militar em 1964 e não são apenas um ataque ao Partido dos Trabalhadores. São também um ataque à democracia e à liberdade com o qual não podemos compactuar”, declara a página. 

“O impacto deste golpe seria brutal da perspectiva econômica, política e social (…) Este é o século 21 e nós não vamos dar um passo para trás”, consta na convocação feita em Londres. 

Em Paris, os organizadores do ato convidaram especialistas para fazer um debate sobre a crise política. Em Bogotá, em Buenos Aires e em Santiago, as manifestações acontecerão em frente às respectivas Embaixadas do Brasil: “O golpe contra a democracia brasileira é um golpe contra a integração e a soberania latino-americana”. 

No Chile, foram convocados brasileiros residentes no país e também os chilenos que quiserem apoiar a democracia na região. “Estamos cientes da gravidade que este precedente antidemocrático representa para os demais países, especialmente, para a América Latina”.  

No Brasil, desde 18 de março, acontecem manifestações contra o golpe em diversas cidades do país. Grupos de artistas, sindicalistas, pesquisadores, escritores, engenheiros, arquitetos, entre outros, organizaram petições e abaixo-assinados em defesa da democracia. A lista está disponível em nosso site.

FonteAgência PT

Comente esta notícia