Mais Médicos recebe 1,5 mil novos profissionais até agosto

Notícia postada em 22/07/2016 19:41

Cerca de 300 profissionais cubanos e 300 brasileiros formados no exterior foram recebidos, nesta sexta-feira (22), em Brasília, para participar do Programa Mais Médicos.

Até o fim de agosto, 1,5 mil novos profissionais terão ocupado as vagas em aberto. Além de recepcionar os médicos, o Ministério da Saúde também anunciou a publicação de um novo edital para selecionar 502 profissionais para 393 municípios. Os brasileiros terão prioridade para se candidatar a vaga até o dia 27 de julho pelo site do programa

Novos médicos

Entre os novos médicos que começarão a atuar no interior do País, a partir do dia 15 de agosto, está o brasileiro Rodrigo Alexendrino, que se formou em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, no final de 2015. Natural de Parecis, em Rondônia, ele conseguiu ficar locado no próprio estado e vai atuar nos distritos indígenas das cidades de Cacoal e Vilhena. 

“Na área indígena, a gente não pode chegar e querer impor nosso conhecimentos, porque, querendo ou não,  eles têm uma cultura totalmente diferenciada da nossa. Tem que ter muita cautela para poder fazer um bom trabalho e ser bem aceito pela comunidade", afirma.

Márcia Rodrigues, que também se formou na Bolívia em 2014, vai para Três Pontas, em Minas Gerais. A cidade tem cerca de 54 mil habitantes. A médica conta que é grande a expectativa para começar a trabalhar e afirma que o fato de ter vivido em cidades do interior irá contribuir com a nova experiência:

“Eu sou do interior do Acre, a minha cidade tem mais ou menos 16 mil habitantes. E eu sempre morei na zona rural também. Então, eu já estou familiarizada nesse sentido.”

Depois de receber os médicos, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou que o Programa Mais Médicos será mantido e aperfeiçoado com a intenção de que as vagas de trabalho sejam ocupadas apenas por brasileiros.

“Os efeitos dos programas são permanentes. O programa tem três eixos: a atenção inicial com os bolsistas, criação de novos cursos e ampliação da residência médica. A criação dos novos cursos e a residência médica são permanentes, os bolsistas são transitórios até que esses médicos formados pelo programa possam ocupar esses postos. Está claro que a contratação de bolsistas se dará até que todos os postos de trabalho sejam preenchidos por brasileiros.”

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde - Foto: Alexandre Silva/EBC

Comente esta notícia