Laboratório olímpico entra em operação na UFRJ e estima coletar mais de 6 mil amostras

Notícia postada em 10/05/2016 12:20

Visto como um dos principais legados ao país, estrutura recebeu R$ 151,3 milhões em investimentos federais e R$ 74,6 milhões em equipamentos, materiais, insumos e mobiliário.

O Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) deu início oficial às operações para os Jogos Rio 2016 nesta segunda-feira (09.05). A previsão é que cinco mil amostras sejam coletadas durante as Olimpíadas e outras 1,2 mil nas Paralimpíadas, gerando mais de dez mil análises no período. 

"É um laboratório que chamo de 'cinema' e que tem total confiança do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Olímpico Internacional (COI)", afirmou o secretário Nacional da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem, Marco Aurélio Klein. O Laboratório chega ao 11º mês após a reacreditação tendo recebido 2,6 mil amostras. "O LBCD ganhou musculatura para os Jogos. Este é um dos maiores legados para o governo e para a ciência brasileira", prosseguiu.

Durante os Jogos, o laboratório vai funcionar 24 horas, sete dias por semana. O LBCD integra o Laboratório de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (Ladetec) do Instituto de Química da UFRJ, e atua em ensino, pesquisa e extensão. Com a eleição do Rio como sede dos Jogos, o Governo Federal investiu R$ 151,3 milhões na construção de um novo prédio para abrigar o Ladetec. Do total, R$ 112,7 milhões são recursos do Ministério do Esporte e R$ 38,5 milhões do Ministério da Educação. Além disso, foram destinados R$ 74,6 milhões para a compra de novos equipamentos, materiais, insumos, mobiliário e operação (sendo R$ 60 milhões do Esporte e R$ 14,6 milhões da Educação).

"No início, tivemos muitas propostas para terceirizar o trabalho de controle de doping durante os Jogos, mas a aposta no LBCD, para constituir um legado para o país, se deu por vontade política da presidenta Dilma Rousseff", afirmou o ministro do Esporte, Ricardo Leyser. 

Capacitação

Profissionais de outras universidades estão sendo capacitados para atuarem no LBCD. Durante as Olimpíadas e Paralimpíadas, eles atuarão ao lado de cem nomes do exterior, referências na área. Para a reitora em exercício da UFRJ, os investimentos no Laboratório irão fortalecer a pesquisa no Brasil.

"Quase todos os aparelhos são importados e boa parte será destinada a universidades federais e outras instituições públicas após os Jogos. Além da análise de sangue e urina, os equipamentos servem para outros processos, em áreas como biologia, engenharia de alimentos e para capacitação de professores", disse Denise Nascimento. A UFRJ fez concursos para contratar pesquisadores e dezenas de outros profissionais (químicos, biólogos, farmacêuticos, técnicos de laboratório de áreas diversas, entre outros).

Há, ainda, um aporte de R$ 43,6 milhões (R$ 28,6 milhões do ME e R$ 15 milhões do MEC) exclusivo para a operação olímpica. Até julho, um mês antes dos Jogos, a ABCD deve certificar entre 130 e 140 Oficiais de Controle de Dopagem e Oficiais de Coleta, sendo que 96 já concluíram o processo.

"A quantidade de análises durante os Jogos equivale a quase um ano inteiro do LBCD. Isso mostra a nossa capacidade", explicou Leyser. Para o ministro, o objetivo é que a delegação brasileira não tenha casos de doping nos Jogos. "Por isso temos feito muitos testes, inclusive fora das competições, e realizando trabalho de conscientização e orientação".

A ABCD realiza campanhas entre os atletas, da base ao alto rendimento, e coleta 40% das amostras fora dos locais de competição. O percentual será o mesmo durante os Jogos, com testes sendo realizados durante treinos e período de aclimatação das equipes. "Este é um momento importante para o esporte e para a educação. É uma alegria testemunhar este legado dos Jogos e que mostra o país vai se beneficiar dos Jogos", ressaltou o ministro Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

Fonte: Brasil 2016

Comente esta notícia