Governo vai construir 5 mil cisternas em escolas rurais

Notícia postada em 07/05/2015 19:50

Para garantir o abastecimento de água potável a alunos do semiárido, o governo federal vai construir cinco mil cisternas em escolas rurais, até 2016. Deste total, 300 atenderão comunidades quilombolas e indígenas. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, R$ 69 milhões foram investidos em construções em andamento.

Em entrevista ao programa “Bom dia, ministro”, da EBC, nesta quinta-feira (7), a ministra Tereza Campello afirmou que a medida irá permitir o armazenamento e abastecimento de água a cerca de 50% das escolas públicas da área rural da região, que atendem 295 mil alunos.

“O que fazemos é ajudar a população numa situação de seca a conviver com dignidade. Temos distribuído sementes, construído cisternas, desde a pior seca de 1935”, explicou. Segundo a ministra, ao todo oito mil escolas rurais sofrem com a falta de água no semiárido nordestino.

De acordo com Campello, o governo da presidenta Dilma Rousseff construiu 830 mil cisternas. “O equipamento é construído em conjunto com a comunidade e isso é efetivo no processo de fiscalização. Cada cisterna é georreferenciada, assim podemos verificar a localização precisa desses equipamentos”, afirmou.

Bolsa Família – Dados do último relatório de revisão de cadastros, de 2014, mostra que 436,2 famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, tiveram aumento significativo aumento de renda, e outras 197,7 mil declararam ganhos acima da faixa de extrema pobreza. “Este é um ótimo resultado, já que a flutuação de renda não obriga o desligamento do programa, salvo se houver significativa melhora na qualidade de vida, as famílias se dispõem a sair”, disse.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2003 e 2013, caiu de 20% para 15,7% o número de famílias mais pobres do país – faixa da população que coincide com o público beneficiário do programa Bolsa Família.

O programa também melhorou o acesso das famílias mais pobres ao serviços de saúde. Segundo a ministra, houve queda nos indicadores de tuberculose e de hanseníase no país. “Essa é uma vitória do Brasil conquistando melhores indicadores”, afirmou Tereza Campello.

Agência PT

Comente esta notícia