Governo português destina recursos para combater violência doméstica e tráfico humano

Notícia postada em 13/08/2015 09:02

O governo de Portugal assinou ontem (12) com entidades de apoio a vítimas de violência doméstica e de proteção às vítimas de tráfico de seres humanos um protocolo que destina mais de 200 mil euros para ações nessas áreas.

Os apoios serão formalizados em cerimônia na Assembleia da República, onde a secretária de Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, vai presidir a assinatura de cartas-compromisso com representantes de entidades gestoras que integram a rede nacional de apoio e proteção a vítimas de violência doméstica, assim como de tráfico de seres humanos.

Os recursos serão repassados a 11 entidades gestoras de estruturas de atendimento e acolhimento de vítimas de violência doméstica (dois núcleos de atendimento, oito entidades gestoras de casas de abrigo) e ao órgão responsável por equipes multidisciplinares de apoio e proteção às vítimas de tráfico humano, informou a secretaria.

"Assim, o governo renova o apoio às instituições que tratam da prevenção e do combate à violência doméstica, principalmente por meio da proteção das suas vítimas e da promoção de sua integração social, e cria nova forma de apoio para as vítimas de tráfico”, diz comunicado.

De acordo com o documento, parte dessa verba vai custear o retorno das vítimas aos países de origem, quando são procedentes da União Europeia.

A formalização da carta-compromisso permitirá às entidades reforçar o acolhimento de emergência de mulheres que sofrem violência e de seus filhos menores, melhorar as condições de moradia e de conforto das casas de abrigo, além de apoiar as vítimas no momento em que deixam os locais de acolhimento.

Os recursos somam-se à verba de 500 mil euros, liberados este ano para prevenção, apoio e proteção aos que sofrem violência, provenientes das verbas dos Jogos Sociais. Segundo o governo português, o financiamento suplementar ultrapassou, nos últimos quatro anos, 4 milhões de euros.

 

Fonte: Agência Brasil

Comente esta notícia