Enquanto Trump repudia protestos, Biden ressaltará segurança de escola

Notícia postada em 02/09/2020 22:33

O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, tentará redirecionar o foco da corrida eleitoral para o novo coronavírus e a maneira como o presidente Donald Trump, que busca a reeleição, lida com a pandemia durante um evento de campanha sobre a reabertura segura das escolas nesta quarta-feira (3).

A crise de saúde, que já matou mais de 184 mil norte-americanos, foi ofuscada nos últimos dias por tumultos civis em Portland, no Oregon, e Kenosha, no Wisconsin, onde policiais balearam Jacob Blake nas costas na semana passada, desencadeando protestos.

Biden e o republicano Trump defendem argumentos conflitantes no debate sobre qual candidato consegue manter o país em segurança. Trump visitou Kenosha na terça-feira (2) e acusou democratas de fomentarem os protestos às vezes violentos contra a injustiça racial e a brutalidade policial, que abalam a nação há meses desde a morte do negro George Floyd sob custódia da polícia de Mineápolis.

Mas agora que milhões de alunos dos ensinos primário e secundário de todo o país iniciam um novo ano letivo, seja virtual ou presencialmente, a campanha de Biden planeja realizar uma entrevista coletiva com especialistas médicos na cidade de Wilmington, no Delaware, onde mora, nesta quarta-feira (3), delineando como as escolas podem reabrir correndo o mínimo de risco.

Reabrir as escolas em meio à pandemia também é uma das maiores prioridades de Trump, mas a equipe de Biden insiste que ele a pleiteia de forma irresponsável. "Ele não está ouvindo especialistas ou cientistas", disse Symone Sanders, uma conselheira de Biden. "Ele está seguindo em frente e tentando reabrir escolas porque acha que ajudará com sua reeleição."

Biden pediu ao Congresso que autorize mais financiamento para auxiliar distritos escolares estaduais e municipais com dificuldades para proporcionar serviços a estudantes em meio à retração econômica.

Nesta quarta-feira, Trump viajará à Carolina do Norte - que, assim como o Wisconsin, é um Estado chave na eleição presidencial - e falará durante a comemoração do 75º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial.

Fonte: Agência Brasil

Comente esta notícia