'Encaramos o Brasil como uma potência global', diz Obama

Notícia postada em 30/06/2015 16:50

Brasil e EUA vão aumentar participação de energias renováveis em suas matrizes energéticas. Presidenta anunciou compromisso de zerar desmatamento na Amazônia.

A presidenta Dilma Rousseff anunciou, nesta terça-feira (30), uma série de metas e compromissos históricos sobre mudanças climáticas com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Os dois países acertaram que vão aumentar, até o ano de 2030, a participação de fontes renováveis em suas matrizes energéticas para uma faixa de 28% a 33% – sem contar a produção de hidrelétricas.

De sua parte, o Brasil decidiu que vai reflorestar 12 milhões de hectares de áreas desmatadas na Amazônia. Dilma também disse que o governo vai trabalhar para zerar o desmatamento ilegal na região amazônica. O prazo para ambos objetivos é o ano de 2030. Já os Estados Unidos se comprometeram a reduzir em 28% suas emissões de gases estufa até 2025, em comparação aos níveis de 2005.

“É uma área essencial para os dois países, e vamos colaborar para termos um eficiência energética”, disse a presidenta, em declaração à imprensa após a reunião de trabalho na Casa Branca com Barack Obama. “Com a redução da emissão de gases do efeito estufa, é possível impedir que a temperatura global tenha um aumento de 2o C.”

“Queremos ir além das hidrelétricas e aumentar essa participação nas fontes renováveis”, afirmou Obama, ressaltando que acredita em resultados muito bons da Conferência de Paris sobre Mudança do Clima, no final deste ano.

Barack Obama elogiou a liderança brasileira nas discussões climáticas e nos debates econômicos do G20 (grupo das vintes economias mais importantes do mundo). “O Brasil, nós encaramos como uma potência global, e não apenas regional [na América Latina]”, avaliou. 

Exportações

Em sua declaração, Dilma disse que a recuperação econômica dos Estados Unidos, após a crise global de 2008, é essencial para o restante do mundo. Segundo, os dois países podem aumentar o comércio bilateral com medidas que reduzem as barreiras sanitárias (que apontam riscos à saúde em certos produtos) e a burocracia no trâmite de exportações e importações.

“Podemos dobrar a corrente de comércio entre os dois países [soma de exportações e importações] no prazo de uma década”, avaliou Dilma.

A presidenta brasileira reforçou o interesse do Brasil em ter investidores dos Estados Unidos na nova etapa do Programa de Investimento em Logística (PIL), lançada no começo de junho. Segundo ela, o governo vem fortalecendo neste ano a política macroeconômica (controle da inflação, equilíbrio das contas públicas para diminuir os riscos dos investidores que apostam em projetos no Brasil.

“Agradecemos o presidente Obama e esperamos o empenho dos investidores dos Estados Unidos nesse processo [as concessões do PIL]”, acrescentou Dilma.

Barack Obama sinalizou que os norte-americanos acompanham o programa com atenção e veem oportunidades com o programa brasileiro que prevê um investimento de R$ 198 bilhões nos próximos anos. “As empresas dos Estados Unidos terão mais condições de concorrer a essas concessões rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, gerando mais empregos”, salientou.

Tecnologia

Dilma citou ainda os acordos assinados com os Estados Unidos, durante a visita oficial, nas áreas de Defesa, Educação e Tecnologia. Amanhã, quarta-feira (1o), a presidenta tem uma extensa agenda na cidade de São Francisco, no estado norte-americano da Califórnia. Ela participa de reuniões na Universidade de Stanford e visita os centros de pesquisa da Nasa e da empresa Google.

“Temos ambição de colocar a inovação tecnológica como um temas centrais da agenda entre os dois países”, afirmou Dilma. Nesta viagem, foi assinado, por exemplo, um acordo de cooperação em ensino técnico entre o Ministério da Educação (MEC) e o Departamento de Educação dos EUA. A presidenta fez questão de lembrar que as universidades dos Estados Unidos são as que mais recebem estudantes do programa Ciência sem Fronteiras.

Leia aqui a íntegra da declaração conjunta.

Fonte: Portal Brasil

Comente esta notícia