'É absurdo que membros do Ministério Público façam juízos morais', afirma Gleisi Hoffmann

Notícia postada em 19/09/2016 19:20

A violência praticada contra o presidente Lula por procuradores do Ministério Público Federal que atuam na operação Lava Jato, do Paraná, na semana passada, que por mais de três horas em cadeia de televisão e rádio o julgaram e o condenaram sem provas, apenas por convicção, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) alertou que a atitude desmerece o próprio MPF e faz supor que vivemos na Idade Média. 

“Consideramos que os procuradores são fiscais da lei, mas não podem se comportar como estão se comportando. O que vimos na semana passada deixou aterrorizados até aqueles que não gostam do Lula e do PT”, observou Gleisi em discurso na tarde desta segunda-feira (19). 

O PT não tem medo de ser investigado e muito menos Lula, porque, do contrário, ele e Dilma não teriam criado mecanismos de combate à corrupção, como a lei de acesso à informação, o portal da transparência, a lei das organizações criminosas, a lei do colarinho branco e diversas outras leis e iniciativas destinadas a publicizar atos públicos e fiscalizar direitos. Lula foi um dos criadores do MPF quando foi deputado constituinte, uma instituição com o objetivo de zelar os princípios fundamentais, entre eles o da dignidade da pessoa humana. 

“Mas não foi isso que os procuradores fizeram com Lula na semana passada. O julgaram e o condenaram sem provas. Um atentado à dignidade humana contra Lula e à Dona Mariza. Naquele dia não se fez uma denúncia como o MPF deve proceder, seguindo os preceitos da juridicidade, objetividade. Foi um desrespeito ao MPF e todos nós que defendemos e acreditamos nas instituições e na democracia. Entendemos que aqueles procuradores não estavam representando o MPF”, afirmou. 

Para Gleisi, a denúncia em powerpoint, com setas apontando Lula como um desrespeitador das leis, o chefe da quadrilha, foi ilustrada pela declaração de um procurador que disse taxativamente que “não temos provas cabais, temos convicção”. “Isso não se faz num País que pretende ser democrático. Estamos voltando para a Idade Média. Antes, as bruxas deveriam ser torturadas. Ainda que as provas não fossem fáticas, elas deveriam ser levadas ao juiz para depois serem queimadas. Portanto, ainda que não gostem de Lula e do PT, aliás querem acabar com o PT, estamos jogando no lixo conquistas da democracia. Estamos deixando a democracia no lixo”, denunciou. 

Narrativa 

Contra a tese que a mídia conservadora construiu para colocar Lula contra os servidores públicos, em especial os procuradores do MPF, porque ele falou que alguns procuradores são analfabetos políticos, Gleisi recordou que o ex-presidente foi o que mais valorizou e o que mais valoriza as carreiras e o fortalecimento do Estado, da máquina pública e as instituições que dão base para o Estado Democrático de Direito. “Não foi Lula quem chamou os servidores de marajás (foi Collor). Não foi Lula quem falou que servidor público não gosta de trabalhar (foi FHC, que chamou os servidores de vagabundos). 

“Seria bom que esses meninos, esses jovens procuradores, que se acham arautos da moralidade, defensores da coisa pública, que acham que vão resgatar e redimir o País da corrupção, conhecessem a história de 500 anos desse País. Talvez poderiam se colocar para fazer um discurso político. Não sou contra discurso político porque estamos numa democracia, mas o MPF não é lugar de fazer discurso político”, disse Gleisi. 

A senadora considera que Lula, em sua declaração no dia seguinte ao show pirotécnico dos procuradores da Lava Jato, foi feliz ao citar seu legado, das conquistas sociais, do que fez pelo Brasil. “O presidente Lula, com altivez, falou do que fez para a área social, para a área do desenvolvimento econômico e para o funcionalismo público”, finalizou. 

Fonte e foto: PT no Senado

Comente esta notícia