Dilma empossa ministros e recomenda eficiência e diálogo com a sociedade e o Congresso

Notícia postada em 05/10/2015 18:51

A presidenta Dilma Rousseff deu posse nesta segunda-feira a 10 ministros de Estado e recomendou a eles, e aos ministros que permanecem no governo, que dialoguem muito com a sociedade e com o Congresso e que trabalhem com mais eficiência para fazer mais com menos recursos.

Ela empossou os ministros Jaques Wagner (Casa Civil), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), Nilma Lino (Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos) Aldo Rebelo (Defesa), Aloizio Mercadante (Educação), Marcelo Castro (Saúde),   Helder Barbalho (Portos), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), Miguel Rossetto (Trabalho e Previdência) e André Figueiredo (Comunicações).

“A principal orientação que dou aos novos ministros, e aos ministros que continuam no governo, é: trabalhem ainda mais, com mais foco, com mais eficiência, buscando fazer mais com menos recursos, dialoguem muito e sempre, dialoguem com a sociedade, com os parlamentares, com os partidos e os movimentos sociais”, afirmou a presidenta, durante a cerimônia de posse no Palácio do Planalto.

Dilma também pediu que os ministros “trabalhem juntos, em cooperação, unidos, para o Brasil voltar a crescer logo, sem demora, preservando direitos e programas sociais e fazendo o nosso reequilíbrio fiscal”.

A presidenta afirmou também que a reforma ministerial é uma parte importante da reforma administrativa, anunciada na última sexta-feira (2), que “abrange um amplo conjunto de ações por um Estado mais eficiente, mas também para garantir maior “equilíbrio à coalização que me elegeu e que deve governar comigo”.

Dilma ressaltou que todos querem um Estado mais preparado para realizar o reequilíbrio fiscal, “necessário e imprescindível para retomada do crescimento econômico”.

“Estamos todos empenhados nesse reequilíbrio das contas públicas, na redução da inflação e na ampliação da confiança dos investidores na nossa economia”.

Programas sociais continuam
A presidenta voltou a elencar dados que reforçam que, apesar da redução das despesas em 2015, os programas sociais continuam. Ela lembrou que neste ano o governo já criou 906 mil vagas em universidades para os jovens, abriu 1,3 milhão de vagas no Pronatec, entregou 360 mil casas do Minha Casa Minha Vida, contratou mais 4 mil médicos para o Mais Médicos, chegando a 63 milhões de pessoas atendidas, e que o Bolsa Família não sofreu redução.

“Pagamos todos os benefícios sociais em dia”, anotou.

 Reforma administrativa
Entre as medidas anunciadas da reforma administrativa anunciada na sexta-feira pela presidenta estão a redução de 8 ministérios e 30 secretarias nacionais; o corte de 3 mil cargos em comissão; a redução em 20% dos gastos de custeio e de contratação de serviços de terceiros; e a redução em 10% do salário da própria presidenta, do vice-presidente e dos ministros de Estado.

Dilma também anunciou a criação de uma central de automóveis, com o objetivo de reduzir e otimizar a frota de veículos; limites de gastos com telefones, passagens e diárias; e metas de eficiência no uso de água e energia.

Também serão revistos todos os contratos de aluguel e de prestação de serviços como vigilância, segurança e Tecnologia da Informação, assim como a utilização de todo o patrimônio da União, e o governo só ficará com os prédios que servirem a políticas públicas.

Fonte: Blog do Planalto/Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Comente esta notícia