Deltan Dallagnol foi desmascarado e precisa responder pelos seus crimes

Notícia postada em 06/08/2019 21:21

Diante das novas divulgações da Lava Jato nesta terça-feira (6), ao revelar que procuradores da Operação em Curitiba fizeram esforço ilegal de coleta de dados sobre o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, com o objetivo de pedir sua suspeição e até seu impeachment, o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), afirmou que procurador Deltan Dallagnol é um “criminoso” e deve não só ser imediatamente afastado da força-tarefa e da Lava Jato como da Procuradoria-Geral da República – além de julgado pelos crimes que cometeu.

Na avaliação do líder Pimenta, as revelações mostram uma ação criminosa que impede que Deltan Dallagnol e sua “gangue” permaneçam e continuem cometendo os crimes que cometeram. “Ele não pode passar impune, porque sob o pretexto de combater a corrupção ele articulou, de maneira perversa, uma organização criminosa. É nisso que a Lava Jato, infelizmente, se transformou”, lamentou Pimenta.

O líder completou afirmando que Dallagnol e seus parceiros, com a proteção do então juiz Sérgio Moro, agiu para que Bolsonaro virasse presidente, e Moro ministro da Justiça. “É triste, mas é verdade. Dallagnol foi desmascarado e precisa responder pelos crimes que cometeu”, reforçou.

Em parceria com o The Intercept Brasil, o portal El País Brasil revela hoje (6) que liderados por Dallagnol, coordenador da força-tarefa, procuradores e assistentes se mobilizaram para apurar decisões e acórdãos do magistrado para embasar sua ofensiva, mas foram ainda além. Planejaram acionar investigadores na Suíça para tentar reunir munição contra o ministro Gilmar Mendes, mesmo sabendo que apurar fatos ligados a um integrante da Corte superior extrapolasse suas competências constitucionais.

A estratégia contra Gilmar Mendes foi discutida ao longo de meses em conversas de integrantes da força-tarefa pelo aplicativo Telegram enviadas ao The Intercept por uma fonte anônima e analisadas em conjunto com o El País.

Em vídeo divulgado em sua rede social, Paulo Pimenta se dirigiu a advogados, estudantes de Direito, bacharéis e a todos os defensores do Estado Democrático de Direito para saber se um procurador de primeira instância pode investigar um ministro da Suprema Corte. “Pode, na nossa legislação, procuradores federais se organizarem de modo a investigar boatos a respeito de ministros da Suprema Corte com o objetivo de criar as condições políticas para um eventual pedido de impeachment de um integrante da Suprema Corte?”, indagou.

Pimenta perguntou ainda se é lícito que procuradores federais de primeira instância se associem de maneira irregular, informal, a procuradores da Suíça, para, em processos e inquéritos em andamento, tentar achar alguma coisa que possa incriminar ou justificar uma investigação de familiares ou de integrantes da Suprema Corte.

Leia a notícia completa aqui

 

Por PT na Câmara

Comente esta notícia