Conquista: Metalúrgicos do ABC revertem demissões

Notícia postada em 31/08/2015 17:09

Na manhã desta segunda-feira (31), os metalúrgicos da fábrica da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, estiveram em assembleia na portaria da fábrica. A greve dos trabalhadores teve início no dia 24 de agosto contra as demissões de mais de 1.500 funcionários.

Os trabalhadores foram informados, e aprovaram em maioria, que a empresa aderiu ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Cerca de 2.000 demitidos agora retornarão à Mercedes. O acordo será por nove meses, o que dará uma estabilidade de um ano no emprego.  

O presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, eleito na última sexta-feira (28) durante o 14º Congresso Estadual da CUT, realizado em Águas de Lindóia, inicia sua gestão junto à categoria ameaçada de demissão. “Somos solidários ao trabalho e às negociações que o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC tem feito neste período. Sabemos que, diante das dificuldades em que o país se encontra, a empresa tende a jogar o ônus da crise econômica sobre os ombros dos trabalhadores”.

Ao contrário do cenário atual, Izzo lembra que nos últimos anos houve uma expansão do mercado interno. “As empresas metalúrgicas, principalmente as automobilísticas, nunca venderam tantos caminhões e automóveis. Mas agora, em um momento de desaquecimento da indústria, as empresas querem que os trabalhadores paguem pela crise. Não aceitaremos isso”, afirma.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, afirmou que a proposta retira de cena as demissões. “É para isso que nós lutamos. Foi feito uma resistência numa greve aguerrida nos últimos dias. É uma vitória da CUT, do sindicato e dos trabalhadores da Mercedes-Benz”, ressaltou.

As demissões estavam programadas para a próxima terça-feira (1º). O sindicato fez inúmeras reuniões com a empresa para encontrar uma alternativa a esta conjuntura. “Com o PPE, a redução da jornada será de 20% e de 10% nos rendimentos, no transporte, plano médico, refeição e mensalidade sindical. É por um período e, no próximo ano, na medida em que o cenário melhore, as coisas retornam ao lugar”, diz o novo secretário Geral da CUT São Paulo, João Cayres. 

Segundo Izzo, a entidade que representa a categoria tem discutido em nível federal e estadual o PEE “Sabemos que o sindicato tem buscado soluções práticas para este período de crise e o que queremos é a manutenção dos empregos, sem direitos a menos para os trabalhadores”, conclui.

Cayres recorda que a luta do sindicato pelo PPE remonta a 2011, em um período de pleno emprego. “Queremos uma nova lógica no sistema de mediação de emprego, no sistema público de emprego. Queremos que o PPE seja uma política permanente do Ministério do Trabalho para que possa segurar os empregos em um momento de crise. Não queremos seguro-desemprego, já que se gasta muito mais com ele e mantém os trabalhadores por seis meses, mais sem nenhuma outra garantia", diz.   Para o dirigente, antes se comemorava aumentar números de parcelas do seguro-desemprego, mas o PPE elimina isso porque, afirma Cayres, "os trabalhadores continuam empregados e, mesmo com a redução dos seus rendimentos, continuam contribuindo para a Previdência e tendo seu fundo de garantia, vinculado à empresa, e seu plano de saúde”, explica.

Na semana passada, em entrevista ao portal do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, o coordenador do CSE na Mercedes, Ângelo Máximo de Oliveira Pinho, já havia sinalizado o posicionamento dos trabalhadores. “A mobilização que saiu da Mercedes, e marchou pela Anchieta até a autopeças Rassini, foi uma mostra de que não aceitaremos calados essa e nenhuma outra lógica unilateral de demissão. Vamos lutar por nossos direitos até onde for possível, até a vitória”, pontuou.

Fonte e Foto: CUT

Comente esta notícia