Com Dilma, Conferência da FBA pauta luta contra governo Bolsonaro

Notícia postada em 30/03/2019 19:27

A esquerda brasileira está unida para enfrentar o desgoverno de Jair Bolsonaro (PSL), defender a democracia e lutar contra a retirada de direitos do povo. Esse é o recado que fica da 3ª Conferência Nacional da Frente Brasil Popular, realizada neste fim de semana para debater a atual conjunturapolítica e propor estratégias de enfrentamento diante do cenário de retrocessos.

O evento foi realizado na escola Florestan Fernandes, em Guararema, São Paulo. Teve a participação da presidenta Dilma Rousseff; deputado federal Alexandre Padilha; ex-ministro Samuel Guimarães; vice-presidente do PCdoB, Wagner Sorrentino; coordenadora na Marcha Mundial de Mulheres, Sônia Coelho; vice-presidente da UNE, Jessy Dayane; secretário deMovimentos Sociais do PT, Ivan Alex; dirigente do MST João Paulo Rodrigues; liderança histórica do MST Pedro Stédile. Dentre representantes de outros partidos e movimentos sociais.

Convidada especial da mesa de debates, a presidenta Dilma Rousseff avaliou que o mundo vive um período de transição e que, no Brasil, a conjuntura política e social está totalmente relacionada ao projeto de golpe que a tirou do poder e, em seguida, prendeu Lula injustamente. O ex-presidente Lula é mantido como preso político na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba desde 07 de abril de 2018, há quase uma ano.

“Vivemos um momento que tem a ver, sim, com o golpe de 2016 que foi feito não só porque ganhamos quatro eleições presidenciais consecutivas, mas para – como os meus antecessores sempre mencionaram, enquadrar o Brasil”. E analisa que um momento “fortíssimo” desse processo foi a prisão de Lula.

A prisão do presidente lula tem o objetivo de interromper a ameaça que pairava sobre os golpistas com a eleição de 2018. Todo sistema, todo golpe que se reproduzir. Ele não pode parar. Tem o ato seguinte, depois tem o outro e tem o outro. Quem era o obstáculo [para esse projeto de poder]? O obstáculo tem nome: chama Luiz Inácio Lula da Silva.

E relembra que, primeiro, tentaram desmoralizar o ex-presidente com a sua condução coercitiva em 04 de março de 2016, e, como o Lula se manteve firme, o denunciaram. Na sequência, condenaram e prenderam acreditando que, dessa forma, perderia credibilidade. Mas não bastou. Então, há um mês das eleições, o impediram de ser candidato a Presidência, mesmo liderando todas as pesquisas de intenção de voto e, por fim, determinaram que ele não podia falar com o povo, dar entrevistas. “Ele é o grande inimigo porque tem uma força simbólica”, avalia.

Não é reforma, é destruição da Previdência

Em sua fala, Dilma Rousseff destacou ainda que a reforma da Previdência, associada a medidas anteriores, é um duro golpe contra todo o sistema de proteção social que foi consolidado em seu governo e no de Lula. Ela ressalta que os governos petistas assumiram o compromisso com a igualdade social e uma das redes de proteção que foi ampliada para garantir isso é justamente a Previdência Social. “O que eles estão fazendo é destruir toda essa rede”, critica.

Essa também foi uma das questões apontadas pelo deputado federal (PT-SP) e ex-ministro, Alexandre Padilha, que também participou da mesa de debates na conferência. Para o parlamentar, o Brasil “vive momento crítico” e, neste momento, é preciso consolidar uma frente ampla em defesa da democracia. Padilha avalia que “é preciso muita luta popular” para enfrentar retrocessos do governo Bolsonaro como a reforma da Previdência que “retira direitos da ampla maioria da população brasileira”.

Esse governo é incapaz de tirar o brasil da crise econômica. É incapaz de reduzir a desigualdade. Incapaz de fazer com que o país saia da crise politica e institucional em está desde o golpe contra Dilma e desde a prisão de Lula, quando tentaram construir uma agenda neoliberal sem que nós participássemos.

Esquerda Brasileira está unida para o enfrentamento

Quando foi à mesa para mediar os debates, João Paulo Rodrigues, dirigente do MST aproveitou o momento para mandar um recado de Lula: é verdade que é o pior momento que estamos vivendo nos últimos anos no Brasil. Mas é o melhor para esquerda ir com muita luta a disputa. Ele visitou o ex-presidente nesta quinta-feira, 28.

A mensagem de Lula vai de encontro a avaliação do Secretário de Movimentos Sociais do PT, Ivan Alex, que também participou do evento e vê a 3ª Conferência da Frente Brasil Popular como um “momento histórico de união da esquerda brasileira”. E ressalta que é uma coalizão entre partidos e diversos seguimentos do movimento social com uma agenda própria contra a reforma da previdência e pela liberdade do ex-presidente Lula. “Vamos construir uma oposição a esse governo nas ruas para construirmos um outro modelo político econômico e social para o país.

Fonte: Agência PT/Foto (Crédito: Jéssica Petrovna)

Comente esta notícia