Atuação de médicos cubanos em Macapá será tema de documentário produzido pela OPAS

Notícia postada em 23/05/2015 19:11

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) recebeu na tarde desta sexta-feira, 22, uma equipe da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que veio a Macapá para fazer um documentário sobre a rotina de trabalho e adaptações dos médicos cubanos, participantes do programa do governo federal Mais Médicos.

A equipe visitou a Unidade Básica de Saúde da Aldeia Cumenê, no município de Oiapoque. Eles acompanharam de perto o dia a dia dos médicos, assim como a receptividade e hospitalidade da população. O documentário será publicado exclusivamente no site Organização das Nações Unidas (ONU).

A Opas é uma organização internacional especializada em saúde e faz parte dos sistemas da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da Organização das Nações Unidas (ONU). Com um século de experiência na saúde pública, tem o objetivo de melhorar as condições de saúde dos países das Américas.

De acordo com a assessora de imprensa da Opas, Gisele Netto, as gravações foram marcadas pela emoção e gratidão dos médicos cubanos em relação à receptividade que tiveram em Macapá. "Os resultados estão sendo percebidos pela população, que fez questão de participar do documentário e destacar o carinho e dedicação dos médicos", observou.

A secretária interina de Gestão da Saúde, Juvanete Távora, ressaltou a importância dos profissionais na prevenção e promoção da saúde no Estado. "A partir da adesão dos médicos em Macapá, foi possível que a medicina natural e a tradicional, chegasse aos locais mais distantes. O programa tem uma importância fundamental na organização e na garantia do acesso fácil aos serviços de saúde", comentou.

Segundo a secretária, em municípios como Tartarugalzinho, Cutias do Araguari, entre outras cidades, o principal problema, antes do Programa Mais Médicos, era reter os profissionais em lugares de difícil acesso. Com o programa, a população passou a ser assistida, evitando o deslocamento de muitos pacientes de comunidades distantes até a capital.

Atualmente, o Estado do Amapá conta com o trabalho de 118 médicos, distribuídos nos 16 municípios. Os profissionais são convocados para atuar na atenção básica de municípios com maior vulnerabilidade social e Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). A iniciativa prevê, também, a expansão do número de vagas de medicina e de residência médica, além do aprimoramento da formação médica no Brasil.

Foto: Rondon Vellozo – ASCOM/MS

Fonte:Agência Amapá de Notícias

Comente esta notícia