Artistas e intelectuais brasileiros lançam carta contra o impeachment

Notícia postada em 29/08/2016 19:40

Inspirados por manifestação do ator Wagner Moura, artistas e intelectuais brasileiros lançaram, no últumo domingo, novo manifesto contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Os signatários ressaltam que o Brasil vive "um dos momentos mais dramáticos" de sua história e também citam o manifesta artistas e intelectuais estrangeiros contra o afastamento de Dilma divulgado na semana passada..

"Os políticos corruptos que lideram a articulação para depor Dilma têm de saber que há um holofote internacional iluminando suas ações", diz o texto. "Se eles derem continuidade ao seu plano, serão lembrados pela história como os responsáveis pelo mais sinistro ataque à democracia desde o Golpe de 1964".

Em português e em inglês, o texto é subscrito por nomes como os cantores Caetano Veloso e Chico Buarque, as atrizes Camila Pitanga, Dira Paes e Marieta Severo, a poeta Alice Ruiz e os professores Jurandir Freire Costa e Marco Luchesi.

Leia a íntegra da carta:

Artistas e Intelectuais brasileiros pedem que senadores respeitem o resultado das eleições de 2014

O Brasil vive um dos momentos mais dramáticos de sua história, com a proximidade da votação final sobre o impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

O mundo assiste com preocupação a essa ameaça à democracia, como no caso de nossos colegas do Reino Unido, Estados Unidos, Canada e Índia, que publicaram uma declaração alertando que o impeachment representaria "um ataque as instituições democráticas", que levaria ao retrocesso econômico e social.

Os senadores que defendem o impeachment ficarão marcados na história por protagonizar o ataque mais cruel à nossa democracia desde o golpe militar de 1964. A história cobrará explicações, já que não existe base legal para justificar o impeachment.

De acordo com o Ministério Público Federal, a presidenta Dilma Rousseff não cometeu crime. Por isso, seu afastamento é claramente uma manobra política para tomada de poder sem a aprovação das urnas.

Esse ataque aos processos democráticos representa uma ameaça aos direitos humanos e levará o Brasil a uma situação de maior instabilidade política e desigualdade social e econômica.

O ator Wagner Moura afirmou: "Estamos profundamente agradecidos por essas importantes palavras de apoio de nossos colegas na Grã-Bretanha, Estados Unidos, Canada e Índia. Os políticos corruptos que lideram a articulação para depor Dilma têm de saber que há um holofote internacional iluminando suas ações. Se eles derem continuidade ao seu plano, serão lembrados pela história como os responsáveis pelo mais sinistro ataque à democracia desde o Golpe de 1964".

A manifestação de Wagner Moura contra o impedimento de Dilma recebeu adesões de:

Adair Rocha, professor
Aderbal Freire Filho, diretor teatral
Alice Ruiz, poeta
André Lázaro, professor
Augusto Sampaio, professor
Bete Mendes, atriz
Biel Rocha, militante de direitos humanos
Caetano Veloso, compositor e cantor
Camila Pitanga, atriz
Carla Marins, atriz
Cecília Boal, psicanalista
Cesar Kuzma, teólogo e professor
Célia Costa, historiadora e documentarista
Charles Fricks, ator
Chico Buarque, compositor e cantor
Clarisse Sette Troisgros, produtora
Cristina Pereira, atriz
Dira Paes, atriz
Dulce Pandolfi, cientista política
Eleny Guimarães-Teixeira, médica
Generosa de Oliveira Silva, socióloga
Gilberto Miranda, ator
Gaudêncio Frigotto - escritor e professor
Isaac Bernat, ator
José Sérgio Leite Lopes, antropólogo
Julia Barreto, produtora Julia Barreto
Jurandir Freire Costa, psicanalista e professor
Leonardo Vieira, ator
Leticia Sabatella, cantora e compositora
Luis Carlos Barreto, cineasta e produtor
Luiz Fernando Lobo, diretor artístico
Marco Luchesi, poeta e professor
Maria Luisa Mendonça, professora e jornalista
Marieta Severo, atriz
Paulo Betti, ator
Ricardo Rezende Figueira, padre e professor
Roberto Amaral, escritor
Sílvia Buarque, atriz
Tuca Moraes, atriz e produtora
Virginia Dirami Berriel, jornalista
Xico Teixeira, jornalista

Fonte: PT no Senado, com informações da Folhapress

Comente esta notícia