Advogados de Lula suspeitam de interferência dos EUA na Lava Jato

Notícia postada em 23/11/2016 18:04

Em depoimento no Paraná, delator afirmou que foi procurado pelo governo dos Estados Unidos “para buscar um interesse, entendimento entre as partes”

O depoimento do ex-executivo da Camargo Corrêa,Eduardo Leite, na audiência em que Luiz InácioLula da Silva é réu na Operação Lava-Jato, levantou a suspeita dos advogados do ex-presidente sobre a existência de interferência norte-americana na Operação Lava-Jato, comandada pelo juiz de primeira instância Sérgio Moro.

No depoimento, realizado na segunda-feira (21) na Justiça Federal em Curitiba (PR), o advogado Cristiano Zanin Martins  perguntou a Leite: “O senhor firmou o acordo de colaboração premiada com o Ministério Público. Também firmou, ou está firmando, com algum órgão dos Estados Unidos?”.

A conversa se desenrolou da seguinte maneira:

Leite: Não, ainda não.
Advogado: Ainda não significa o quê?
Leite: Que eu posso vir a firmar, mas hoje não tenho nada firmado com o governo americano.
Advogado: O senhor está em negociação?
Leite: Também não. Eu fui procurado pelo governo americano no intuito de buscar um interesse, entendimento das partes.
Advogado: Qual foi o órgão que procurou o senhor?
Leite: [inaudível]
Advogado: E o senhor comunicou isso ao Ministério Público ou ao juízo?
Leite: Com certeza. Isso foi partilhado junto ao Ministério Público.
Advogado: A quem especificamente o senhor comunicou?
Leite: Não sei. Meus advogados que podem lhe informar.
Advogado: Ao Ministério Público e ao juízo?
Leite: Não sei lhe dizer. Quem pode lhe informar é meu advogado.
Advogado: Em que status estão essas tratativas?
Leite: Do mesmo jeito que elas começaram. Na verdade, foi uma busca do governo americano através da força-tarefa, no qual nós fomos procurados para saber o intuito, o interesse de haver um partilhamento, da gente participar de um processo…
Advogado: Essa demanda dos Estados Unidos veio através da força-tarefa?

Nesse momento, o procurador Diogo Castor de Mattos interrompeu o advogado: “Essas perguntas já foram indeferidas, relativas a colaboração do exterior”. Em seguida, Sérgio Moro afirmou: “A outra testemunha disse que não ia responder, que não se sentiu segura. A testemunha está respondendo e o defensor dela está aqui presente. Então, se tiver algum óbice, imagino que…”.

O advogado de Lula protestou a ambos: “Se isso não tem relação alguma com os autos… Eu não sou obrigado a adiantar a vossa excelência as estratégias da defesa”.

Tratado de 2001

A suspeita dos advogado de Lula sobre a interferência do governo dos Estados Unidos na Operação Lava Jato, caso se mostre real, confirmaria interferência estrangeira na Justiça e na soberania nacional.

Em tratado firmado entre os governos do Brasil e dos Estados Unidos em 2001, ficou acordado que o Ministério da Justiça tem a exclusividade para tratar questões do tipo. Nunca um juiz de primeira instância.

“A revelação feita em audiência de que o Ministério Público Federal estaria trabalhando junto com autoridades americanas parece não estar de acordo com o tratado que o Brasil firmou em 2001 com os Estados Unidos que coloca o Ministério da Justiça como autoridade central para tratar esse tipo de questão”, disse o advogado do ex-presidente à “Folha de S. Paulo”.

Em nota, o Ministério Público Federal afirmou que “o assunto em questão é sigiloso” e que, portanto, não se manifestaria.

Eduardo Leite sobre os EUA, na Justiça Federal Criminal de Curitiba

Fonte: Agência PT

Comente esta notícia