A arte argentina novamente com todo o esplendor no Museu Nacional de Belas Artes

Notícia postada em 17/08/2015 08:49

Com muita expectativa, o Museu Nacional de Belas Artes se prepara para inaugurar as dezesseis salas do primeiro piso de arte argentina e internacional do século XX, onde é destaque um espaço dedicado ao mestre Antonio Berni, e no segundo piso, mais de 200 metros de arte argentino da década de 90.

Após a inauguração oficial, um percorrido pelas salas possibilitará ver estas mudanças: são 271 obras entre pinturas e esculturas, mas também fotografia e gravado, duas disciplinas agora incorporadas ao roteiro geral.

Depois de quatro anos de permanecer fechado ao público, o museu fará brilhar novamente a arte argentina, e a fará dialogar com a arte internacional "nos momentos que a coleção o deixe fazer", explicou curador Roberto Amigo.

Assim, por exemplo, na sala "As linguagens modernas", dedicada ao período que vai de 1920 a 1945, Marc Chagall dialoga com Raquel Forner e Alfredo Guttero. Na sala do lado, também há diálogos com Pablo Picasso, Paul Klee, Vassily Kandinsky, Juan del Prete e Joaquín Torres García.

A reabertura do primeiro e segundo piso também possibilitará apreciar novas peças do patrimônio, produto de aquisições e doações, enquanto a reforma cumpre com os padrões internacionais de museologia -novos equipamentos de iluminação, sistema integral de segurança e acondicionamento térmico adequado -, e contou com um investimento superior a 41 milhões de pesos, informou o museu.

Fonte: Télam / Foto: La Penna Tito

Comente esta notícia